• Diego Rubiño

Contrato de Freelancer: O que é preciso saber para não errar no seu?


Como sabemos, é cada vez mais normal em nosso país, a contratação de profissionais na modalidade de trabalho tipo freelancer.

Hoje é muito grande o número de freelancers profissionais no mercado de trabalho. As atividades mais comuns dos chamados freelas são de programadores, redatores, fotógrafos, designers, entre outras.

Porém, alguns cuidados devem ser tomados, tanto por parte da empresa, quanto por parte do "freela". Bom, por ser uma relação onde não haverá vínculo empregatício, ou seja, sem relação de direitos trabalhistas, o freelancer tem a possibilidade e o direiro de desenvolver seu trabalho para quantas empresas quiser simultaneamente. Todavia, por muitas vezes o "freela" e a própria empresa acabam aceitando em fazer o serviço sem formaliza-lo, não tendo noção do problema que pode dar na esfera trabalhista. A boa notícia é que isso pode ser facilmente solucionado através da utilização de um contrato simples de prestação de serviços, contendo as principais informações de identificação das partes envolvidas e os detalhes do acordo firmado, bem como prazos e valores

Como é de conhecimento de todos, hoje em dia, com a facilidade da internet, existem muitos modelos prontos que são encontrados facilmente nos sites de buscas. Porém, o ideal é fugir deles e criar um contrato padrão que esteja aberto a ser adaptado com todas as características do seu negócio em específico. Ou seja, é mais recomendado que seja formalizado um contrato personalizado, para que não haja furos e brechas.

Pode ter certeza, utilizar um modelo da internet pode ser tão perigoso como contratar sem formalizar por escrito. E você, elabora contrato com seus "freelas"?

#DIREITODIGITAL #DIREITODASSTARTUPS #DIREITOEMPRESARIAL

8 visualizações